• aumente a fonte
  • diminua a fonte
  • aplique contraste

Exposições Temporárias

Escolha o ano

O Olhar É o Sentir Pelas Mãos: Mãos que Sentem, Mãos que CriamPeríodo: dezembro/2016 (continua em 2017)

O Olhar É o Sentir Pelas Mãos: Mãos que Sentem, Mãos que Criam

É direito de cada cidadão ter acesso à arte, cultura e conhecimento, neste sentido, não pode haver barreiras, sejam elas físicas ou intelectuais, por isso o Museu Índia Vanuíre busca continuamente construir atividades cultuais capazes de potencializar a ação e a compreensão do acervo exposto na exposição de longa duração ou exposições temporárias promovendo a qualidade da experiência do visitante vivenciada neste espaço museológico, garantindo assim, a inclusão dos diversos tipos de públicos, incluindo e incentivando os visitantes que habitualmente não são frequentadores do Museu.

Indígenas de Vanuíre nas Lentes de Paulo LustosaPeríodo: de outubro a novembro/2016

Indígenas de Vanuíre nas Lentes de Paulo Lustosa

Em homenagem ao aniversário de Tupã, o Museu Índia Vanuíre realizou uma exposição de fotografias de Paulo Henrique Lustosa feitas na terra indígena Vanuíre, em 2004. Foram retratados o cotidiano dos Kaingang, Krenak e Terena e, para o resultado final, o artista submeteu as imagens à técnica de solarização ou sabattier, que consiste em expor o produto ainda não finalizado à pequenas e rápidas exposições à luz, alterando os pontos de iluminação e sombra e invertendo esses aspectos, o que confere ao material um desfecho mágico e poético.

Fortalecimento da Memória Tradicional Kaingang: de Geração em GeraçãoPeríodo: de maio a dezembro/2016 (continua em 2017)

Fortalecimento da Memória Tradicional Kaingang: de Geração em Geração

A exposição é uma autonarrativa com o intuito de promover a tradição, o processo e as técnicas de confecção da cerâmica Kaingang, valorizando o conhecimento e os fazeres dos indígenas mais velhos e sábios. Todos esses aspectos, materiais e imateriais, foram apresentados ao público através de uma mostra bilíngue (Kaingang e português) que conta com objetos, imagens fotográficas e vídeo.

O Olhar de Hercule Florence Sobre os Índios BrasileirosPeríodo: de março a maio/2016

O Olhar de Hercule Florence Sobre os Índios Brasileiros

A mostra apresenta um panorama histórico e social dos povos Apiaká, Bororo, Coroado (Kaingang), Guaikuru (atualmente Kadiwéu), Guaná, Guató, Kayapó (hoje Panará), Munduruku, Ofaié Xavante e Oti Xavante. A exposição reúne diferentes peças, entre desenhos, aquarelas, manuscritos, objetos, fotografias e livros, que documentam as dinâmicas destes grupos. O resgate histórico dos 190 anos que separam os registros oitocentistas de Hercule Florence e a situação atual procura contribuir para uma perspectiva futura sobre a situação indígena no Brasil.

Coleção ColecionismoPeríodo: de janeiro a abril/2016

Coleção Colecionismo

A mostra foi uma oportunidade de exibir ao público as coleções pertencentes ao acervo e que estão guardadas. São itens que despertaram a memória e a emoção dos visitantes.

Tupã AntigaPeríodo: de janeiro a abril/2016

Tupã Antiga

Em comemoração ao aniversário de Tupã, foi realizada a exposição “Tupã Antiga”. A mostra foi composta por registros fotográficos pertencentes ao acervo do Museu. São imagens de fatos e locais relevantes da cidade, que se tornaram peças na engrenagem narrativa da história do município. São objetos fundamentais para o conhecimento, compreensão e fortalecimento da memória, pois imortalizam o momento e podem ser conduzidas para outros tempos.

A Presença do Movimento Negro em TupãPeríodo: de janeiro a abril/2016

A Presença do Movimento Negro em Tupã

Durante a programação especial da “Consciência Negra”, a exposição foi exibida com a proposta de promover a trajetória de 10 anos da ONG União do Movimento Negro com Todos (Umont), que tem como missão preservar e fortalecer a cultura negra.

Memórias da NegritudePeríodo: de 7/12/2015 a 30/12/2015

Memórias da Negritude

Em celebração à Semana dos Direitos Humanos, a exposição “Memórias da Negritude” foi realizada no Fórum da Comarca de Tupã. A mostra apresentou o papel participativo do negro, a importância da igualdade social e a democracia em um país multicultural, como o Brasil. Ainda destacou algumas celebridades brasileiras que contribuíram na construção da cultura do país e na ampliação da cidadania para todos os brasileiros.

A Presença do Movimento Negro em TupãPeríodo: de 16/11/2015 a dezembro/2015 (continua em 2016)

A Presença do Movimento Negro em Tupã

Durante a programação especial da “Consciência Negra”, a exposição foi exibida com a proposta de promover a trajetória de 10 anos da ONG União do Movimento Negro com Todos (Umont), que tem como missão preservar e fortalecer a cultura negra.

regua-de-logos-museu-india-vanuire-governo-sp

Todos os direitos reservados. © Museu Índia Vanuíre 2020.